O prefeito Rafael Greca anunciou, esta semana, a proposta criação de uma reserva de interesse geológico e paleontológico de relevância científica em uma área de 16 hectares, pertencente à Curitiba S.A, situada às margens da BR-277, próxima do Contorno Sul, na CIC.

“Curitiba agora tem uma história muito mais antiga do que os seus pouco mais de 300 anos que conhecemos. É a cidade antes da história que vai começar a ser revelada com todo apoio da Prefeitura”, disse.

Os detalhes da proposta da criação do geossítio, uma Área de Relevante Interesse Ecológico (Arie), classificada no Sistema Nacional de Conservação, foi discutida por Greca e uma equipe de especialistas coordenada pelos professores Fernando Sedor, paleontólogo e coordenador científico do Museu de Ciências Naturais da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Luiz Alberto Fernandes, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Geologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR). O encontro foi na quinta-feira, 8, no Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano (Ippuc).

No terreno na região Sul da cidade está o último remanescente da chamada Formação Guabirotuba, onde recentemente foram encontrados fósseis de vertebrados e invertebrados que permitem o estudo da evolução da fauna da América do Sul.

Entre os fósseis estão os de ancestrais de tatus e preguiças e uma nova espécie (Proecoleophorus Carlinii) cuja idade data do período Eoceno, a segunda época da era Cenozoica, compreendido entre 55 milhões de anos e 36 milhões de anos.

Na exposição feita ao prefeito, os especialistas destacaram que a preservação do Geossítio da Bacia Sedimentar de Curitiba irá valorizar e divulgar o patrimônio geológico e palentológico da cidade, ampliando os registros sobre a bacia sedimentar de Curitiba e estabelecendo técnicas de conservação que mantenham as exposições íntegras e acessíveis para usos científico e educativo.

“Será uma estrutura única em todo o território brasileiro. A primeira iniciativa de se preservar um afloramento de alto valor científico”, destacou o professor Fernando Sedor.

Segundo Greca, a Prefeitura irá avaliar a cessão do terreno pela Curitiba S.A. para a implantação do Geossítio estruturado como um parque e uma área de fomento à pesquisa e a atividades educacionais.

O projeto será detalhado pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente. “Vamos fazer também uma estação do programa educacional Linha do Conhecimento para que nossas crianças sejam incentivadas à pesquisa”, destacou ainda Greca.