As manilhas que literalmente “emparedam” o Restaurante Popular do Viaduto do Capanema, o primeiro de Curitiba e pioneiro no País, estão com os dias contados. A Secretaria Municipal de Abastecimento, o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) e a Fundação de Ação Social (FAS), por determinação do prefeito Rafael Greca, uniram esforços para devolver à população este emblemático espaço, que prioritariamente atenderá pessoas em situação de vulnerabilidade.

O clima atual de desolação vai dar lugar a um espaço humanizado, garantiu o secretário municipal de Abastecimento e Agricultura, Luiz Gusi, em visita ao local. Impressiona o abandono do restaurante e os sinais de vandalismo saltam aos olhos. Dos banheiros, por exemplo, só sobrou a alvenaria. Fezes e sujeira se espalham por todo o antigo piso e as antigas (e amplas) paredes de vidro deram lugar a grades.

O projeto executivo do novo restaurante popular está sendo feito pelo Ippuc e caberá à Secretaria do Abastecimento equipar o local e garantir que as refeições tenham a mesma qualidade das oferecidas nas demais unidades da Prefeitura. “Assim como nos outros restaurantes populares, o do Viaduto do Capanema terá uma preocupação em oferecer um cardápio balanceado”, salientou Luiz Gusi, secretário municipal de Abastecimento e Agricultura.

Segundo Gusi, o futuro restaurante deverá ter uma área de 385 metros quadrados e, nas 40 mesas previstas, serem servidas mil refeições por dia. “Ainda não há uma data para a inauguração, mas todo o projeto do restaurante (incluindo o elétrico e o hidráulico) deve estar finalizado até o fim de março”, prevê.

Gusi salientou ainda que o público frequentador, muitas vezes, somente conta com o almoço como refeição diária. “Nos restaurantes populares, eles recebem o aporte calórico, alimentação balanceada e o resultado é a melhora na saúde”, acrescenta. Vale lembrar que, além de pessoas em situação de vulnerabilidade social, os restaurantes populares são procurados por trabalhadores, aposentados e desempregados.

Pioneiro

Inaugurado em novembro de 1993, durante a primeira gestão do prefeito Rafael Greca, o Restaurante Popular do Viaduto do Capanema conquistou o Brasil pela proposta pioneira de oferecer refeições de qualidade, na época, a R$ 1.

Logo após a abertura, o sociólogo Herbert José de Sousa (1935-1997), o Betinho, criador do projeto Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida, enviou a Greca uma carta agradecendo pela criação de um equipamento singular e, então, único no Brasil.

A construção foi fechada no começo de 2000. De lá para cá, o imóvel vem sendo usado como abrigo para pessoas em situação de risco e usuários de drogas.

(foto: Joel Rocha/SMCS)