O prefeito Rafael Greca, o governador Beto Richa e o ministro das Cidades, Bruno Araújo, assinaram nesta quarta-feira, 1º, o repasse de R$ 123 milhões de recursos federais para obras de mobilidade e saneamento em Curitiba. “Quero agradecer ao governo federal e estadual por ajudarem neste grande investimento em mobilidade e saneamento para nossa Curitiba.”

 

O “pacote” inclui o lote 4 da Linha Verde, a construção do terminal Tatuquara, a reforma do terminal Vila Oficinas e a construção de uma trincheira na Avenida Nossa Senhora Aparecida com a Mario Tourinho, além de obras e projetos para a rede de esgoto.

 

Além desses recursos, Greca também anunciou o investimento de mais R$ 60 milhões num programa para asfaltar as ruas de saibro remanescentes na capital, dando melhores condições de mobilidade para as vias.

 

Os recursos serão financiados pela Caixa Econômica Federal. Segundo o presidente do banco, Gilberto Occhi, o valor está garantido para Curitiba poder implementar os primeiros 50 quilômetros da nova pavimentação.

 

Qualidade dos projetos – O ministro das Cidades elogiou a qualidade dos projetos apresentados por Curitiba (a cidade quase perdeu investimentos por falta de acompanhamento adequado dos projetos em anos anteriores). “Para ter acesso aos recursos federais é preciso capacidade e competência”, destacou Araújo. “Os projetos de Curitiba são muito bem pensados e geridos com responsabilidade, o que permite a entrega de serviços de qualidade à população.”

 

Para o governador Beto Richa, essa é uma característica importante para que “Curitiba possa voltar a ser a referência de mobilidade como sempre foi”. “Estamos juntos construindo um estado melhor para se viver”, destacou o governador sobre a parceria com a capital.

 

Durante a cerimônia, também foi anunciada a liberação de recursos de saneamento para 19 municípios paranaenses.

 

Linha Verde – As obras do lote 4 representam a fase final das obras da Linha Verde e abrangem o trecho entre a rua Fagundes Varela e o antigo trevo do Atuba. As obras para os 2,94 quilômetros (lote 4.1) autorizadas pelo ministro terão recursos de R$ 74,9 milhões.

 

A Linha Verde é a maior intervenção urbana de Curitiba nos últimos anos. Segundo Greca, ela representa a nova fronteira de desenvolvimento da capital. “A Linha Verde agora termina. E ela não vai mais separar, mas sim unir a cidade”, disse o prefeito sobre a antiga BR que funcionava como um “muro” na capital.

 

Além da obra viária, a Prefeitura desenvolve uma Operação Urbana Consorciada na área de abrangência, a fim de garantir a consolidação de uma região que atravessa 23 bairros da capital e tem influência direta em municípios da Região Metropolitana, como Campina Grande do Sul, Quatro Barras, Colombo, Fazenda Rio Grande e Mandirituba.