A aposentada Júlia Tatkoski, 67 anos, começou a almoçar diariamente no Restaurante Popular do Pinheirinho há um ano e meio. Desde o primeiro dia, no entanto, ela temia acabar enjoando da comida, como já tinha ocorrido com outros estabelecimentos. Mas o tempero de Cida Aparecida de Lima, a cozinheira-chefe da unidade da Prefeitura, continua conquistando o paladar da aposentada. “Nunca enjoei, mesmo vindo de segunda a sexta-feira. Apesar de ser preparada em grande quantidade, a comida é bem feitinha, todo dia tem algo diferente”, destaca ela.

Não é um mero acaso a percepção de dona Júlia em relação à qualidade e aos cuidados com a comida oferecida nos restaurantes populares administrados pela Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento. “O cardápio muda todo dia e, apesar de ser formado sempre por seis itens, arroz, feijão, carne, acompanhamento, salada e sobremesa, tudo precisa ser saudável, balanceado e, é claro, saboroso”, afirma a nutricionista Morgiana Maria Kormann, coordenadora das quatro unidades da Prefeitura.

Diariamente, os alimentos servidos nos restaurantes populares precisam trazer, com equilíbrio, nutrientes como carboidrato, proteínas, fibras, vitaminas e minerais. “É um cardápio balanceado, com verduras ou legumes, crus ou cozidos, que fornecem fibras, vitaminas e minerais; arroz e feijão para suprir a necessidade de carboidrato; e alternâncias de carnes vermelha, suína, de frango e de peixe para a proteína”, observa Morgiana. Além disso, não há fritura. “A carne é sempre assada, cozida ou grelhada. Não há enlatados”, acrescenta a nutiricionista.

Muitas vezes visto como vilão, o carboidrato é, na realidade, a principal fonte de energia do corpo e, por isso, sempre está no cardápio, conta Morgiana. “O carboidrato é responsável por nos dar energia para atividades corriqueiras, como andar. Seu consumo é vital para a nossa existência”, observa ela. Também não pode faltar no menu a proteína, uma macromolécula formada por pequenas moléculas, chamadas aminoácidos. “São esses aminoácidos que contribuírem para a formação dos músculos e muitas funções do sistema nervoso e de defesa”, justifica a nutricionista.

As fibras, as vitaminas e os minerais fornecidos aos frequentadores dos restaurantes populares são garantidos, principalmente, pelas frutas, verduras e legumes presentes nos pratos. “São alimentos que ajudam a fortalecer o sistema imunológico e, ainda, a regular a digestão e a circulação sanguínea, mantendo o bom funcionamento do intestino por serem ricos em fibras”, enumera Morgiana.

A nutricionista lembra ainda que há uma preocupação com as calorias das refeições. “O público frequentador, muitas vezes, somente conta com o almoço oferecido nas unidades como refeição diária”, frisa ela. Por isso, o cardápio alimentos é rico na chamada gordura “boa”, como ômega 3 e 6. “Essas gorduras são fontes de energia para o corpo e cumprem também outras funções, como participar da construção das células, proteger os órgãos vitais e compor as substâncias (hormônios e enzimas) que auxiliam o sistema imunológico”, reforça Morgiana.

Comida caseira

Antes das 11 horas, quando as portas são abertas, o auxiliar de serviços gerais Antônio Afonso Barbosa, 67 anos, já está a postos esperando para entrar no Restaurante Popular do Pinheirinho. Segundo ele, o motivo que o leva a querer ser um dos primeiros a ser servido é o gostinho de comida caseira. “Tem aquele temperinho diferente todo dia”, conta ele, que frequenta o restaurante de segunda a sexta-feira.

“Seu Antônio está certo”, confirma Cida Aparecida de Lima, a cozinheira-chefe da unidade da Prefeitura. Ela explica que, além do cuidado em oferecer um cardápio balanceado, rico em nutrientes, também há uma preocupação em não deixar as pessoas enjoarem da comida. “Por isso, sempre usamos temperos desidratados, como louro, orégano, cúrcuma, e naturais, como manjericão, alho, cebolinha verde, alecrim e sal na medida certa”, conta Cida.

A percepção de comida caseira também se deve ao cuidado das equipes das quatro unidades em não repetir de um dia para o outro o acompanhamento, a carne, a salada e a fruta da sobremesa. “Se um dia temos abobrinha, no outro teremos batata doce. Se um dia será servida carne vermelha, no outro vamos preparar frango. Se hoje é maçã na sobremesa, amanhã será melancia”, conta a nutricionista Francielle Campos, uma das responsáveis técnicas do restaurante popular do Pinheirinho.

“Como um das missões da Prefeitura é incentivar a alimentação saudável, sempre buscamos variar os alimentos para incentivar que os frequentadores tenham uma refeição completa”, afirma Morgiana. Além disso, complementa a responsável pelos quatro restaurantes populares, são servidos pratos regionais, sempre às sextas-feiras, como barreado e feijoada.