O governador Beto Richa (PSDB) anunciou nesta quinta-feira (11) que fará no final do mês um novo repasse de cota extra do ICMS aos municípios paranaenses. Os recursos são referentes à antecipação do recolhimento do imposto e segundo a Associação dos Municípios do Paraná, o novo repasse deve ser feito no próximo dia 30 no valor de R$ 120 milhões. As informações são do Bem Paraná

Essa será a segunda vez que Estado faz esse tipo de repasse. Em janeiro do ano passado, Richa repassou R$ 429,8 milhões aos municípios em razão da antecipação do imposto. Segundo o governador, esses repassas são mais um reflexo de que o Paraná venceu a crise . “A exemplo do que aconteceu no ano passado, os municípios terão mais um reforço financeiro para novos investimentos em saúde, educação e obras urbanas”, comentou Richa no Facebook.

“A liberação destes recursos mostra, mais uma vez, assim como aconteceu em relação à cota-extra do ICMS liberada no ano passado, o compromisso do Governo do Estado com os municípios. São valores que vão ajudar muito as prefeituras a ampliar seus investimentos em saúde, educação e obras”, disse o presidente da AMP e prefeito de Assis Chateubriand, Marcel Micheletto (PSDB).

Socorro 
O reforço vem em um momento em que as prefeituras enfrentam dificuldades para saldar despesas de 2017. É que no final do ano passado, o presidente Michel Temer (PMDB) prometeu repassar um extra de R$ 2 bilhões aos municípios até dezembro, para ajudá-los a fecharem suas contas, em troca do apoio à reforma da Previdência em discussão no Congresso. No Paraná, as prefeituras esperavam receber R$ 135,92 milhões até o final de dezembro.

O problema é que a votação da reforma foi adiada para fevereiro, e o governo federal também acabou não cumprindo a promessa. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, teria chegado a se recusar a assinar a Medida Provisória que regularizaria o repasse, alegando que antes seria preciso criar um programa de auxílio aos municípios.

Os prefeitos reagiram, e a MP acabou sendo editada no dia 29 último. Mas o repasse dos recursos acabou sendo adiada para o início de 2018. A previsão é que o dinheiro só chegue às prefeituras em fevereiro. Além disso, ao contrário do que foi prometido, o governo federal estabeleceu que os recursos não poderão ser usados para quitar despesas do ano passado e devem ser aplicados preferencialmente em educação e saúde.

(foto: Franklin de Freitas)